Garimpo Bem Rock

Ventre tem elogios a Goiânia, mas lamentos pelo Rio

ventre_editada5‘Vamos para o Bananada, vai ser bem legal’. A oportunidade de voltar para Goiânia, que recebe o festival, anima o baixista Hugo Noguchi, da Ventre. A banda esteve recentemente na cidade, e volta agora, no dia 14 de maio, para se apresentar no festival. Tradicional espaço para bandas independentes, a ‘Casa do Mancha’, de São Paulo, terá um palco especial no Bananada, onde irá se apresentar o trio carioca.

‘Goiânia é muito maneiro’, elogia Hugo. O músico curtiu o envolvimento e apoio das pessoas com o rock independente. ‘A galera tem uma vontade de fazer as paradas rolarem. Tem muita gente envolvida e beneficia o circuito como um todo. Goiânia ensina muito nesse sentido, da disposição das pessoas que dá liga ali’, completa.

Depois do Bananada, a Ventre ainda se apresenta no interior de Minas, em Araguari, no dia 15 de maio. E volta para o Rio, onde faz mais dois shows ainda neste mês de maio, nos dias 20 e 21. Apesar de estarem em casa na capital fluminense, os músicos lamentam as dificuldades encontradas por lá.

‘Viver de música independente no Rio é muito difícil, conseguir bancar um disco com tudo o que deve ter, de estúdio, produtor, equipamentos. Acabamos por fazer do nosso jeito: entre amigos’, cita Gabriel Ventura, sobre a produção do primeiro álbum do grupo.

nobre_editada2Hugo também faz suas críticas. ‘O Rio é muito desanimador. Mas eu sempre acho uma troca muito boa quando estou fora. Me sinto muito valorizado, de um jeito diferente. Aqui não tem onde se firmar, colar e ficar’, lamenta.

O músico reclama de uma falsa imagem criada pelos meios de comunicação e que só ajudam a manter o domínio de outros estilos musicais, como samba e choro. ‘Vira uma referência cultural, mas é uma parada meio criada. E com isso o espírito de renovação é mais difícil’, completa.